Atualidade COVID-19

Conselhos para viajar com segurança
 Vista aérea de Burgos

Caminho de El Cid

caminho-cid-aventuras

Seguindo as aventuras de um cavaleiro do século XII

Você já ouviu falar do Cantar de Mio Cid? É um famoso poema castelhano do século XII que conta a história do legendário cavaleiro Rodrigo Díaz de Vivar, o Cid Campeador. Propomos a você reviver suas aventuras de uma maneira divertida: fazendo uma viagem à Espanha que siga o percurso que aparece no próprio livro. A ideia é que você faça um caminho turístico e cultural que lhe levará pelo interior e pelo leste do país, já que passa pelas terras de Castela e Leão, Castela-La Mancha, Aragão y Comunidade Valenciana.Neste itinerário esperam por você lugares declarados Patrimônio Mundial; exemplos de arte românica, moçárabe, mudéjar, islâmica e gótica e mais de 70 espaços naturais protegidos. Apesar de que na realidade são caminhos de entre 50 e 300 quilômetros que se unem uns com outros, em conjunto somam 2.000 quilômetros de estradas e 1.400 quilômetros de trilhas sinalizadas. A seguir você encontrará informação mais detalhada de cada um dos trechos principais:

Primeiro trecho: O desterro

No Cantar do Mio Cid é relatado o desterro que sofreu o Cid em 1088, por causa do rei Alfonso VI. Acompanhado de sua família e de uns poucos cavaleiros leais, abandonou a Castela. Esta primeira parte da rota do Caminho de El Cid cobre a viagem que realizou o famoso cavaleiro de Vivar del Cid (Burgos) até a vila de Atienza (Guadalajara).

 

Distância:340Km Deslocamento: De carro / Duração: 4 dias Deslocamento: A pé / Duração: 15 dias Deslocamento: Em bicicleta / Duração: 5 dias

Este trecho transcorre pelas províncias de Burgos, Soria e Guadalajara. Abrange 341 quilômetros por estrada e 285 quilômetros por trilhas divididas em etapas. Se você viaja de carro, recomendamos realizá-lo em quatro dias para visitar os lugares tranquilamente. A alternativa para caminhantes duraria 15 jornadas, enquanto que para os ciclistas seriam cinco dias.Parte de onde nasceu o protagonista, Vivar del Cid. Você atravessará paisagens de campos de cultivo, montanhas e bosques, descobrirá cidades e vilas históricas e importantes monumentos. Para que você não perca nada, o melhor é ir aos escritórios de turismo de cada lugar.

Estátua do Cid em Burgos

Lugares destacados

Burgos é um dos lugares onde vale a pena parar. Em sua Catedral, declarada Patrimônio Mundial pela UNESCO, descansam os restos do Cid e de sua esposa, dona Jimena. Não obstante, há muito mais monumentos que ver nesta cidade, entre outros, a Igreja de San Nicolás ou o Mosteiro das Huelgas. Mais adiante, também não se deve perder o Mosteiro de San Pedro de Cardeña, o lugar onde o Cid deixou a sua mulher e a suas filhas a caminho do desterro.Depois de passar por Covarrubias, você pode ir em busca de outro centro monástico imprescindível nesta viagem: o Mosteiro de Santo Domingo de Silos, congregação a qual o Cid doou algumas herdades. Seu famoso claustro é uma autêntica joia do românico. Românicas também são as igrejas de Nuestra Señora de la Asunción em Castillejo de Robledo, com suas pinturas murais, e as de San Miguel e de Nuestra Señora del Rivero em San Esteban de Gormaz.Antes de chegar a Gormaz, onde se encontra o castelo do califado do qual o Cid foi diretor, convém fazer uma parada em El Burgo de Osma, para conhecer sua catedral gótica e seu centro histórico. Berlanga de Duero é outra povoação destacada deste percurso sobre o Cid, a quem o rei Alfonso VI concedeu sua senhorio em 1089. Seu castelo de planta renascentista ou sua igreja colegial são alguns de seus atrativos.Também é interessante o ponto final deste trecho, Atienza. Suas ruas estão repletas de casas nobres e templos românicos e góticos. Além disso, do seu castelo desfruta-se de umas fabulosas vistas.

Rua de Atienza, Guadalajara

Segundo trecho: Terras de fronteira

Este segundo trecho do caminho prossegue pelos pontos que então delimitavam a fronteira entre os domínios muçulmanos e cristãos. Um território onde começou a forjar sua lenda guerreira o Cid Campeador. Começa em Atienza (Guadalajara) e finaliza em Ateca (Zaragoza).

Distância:267Km Deslocamento: De carro / Duração: 3 dias Deslocamento: A pé / Duração: 12 dias Deslocamento: Em bicicleta / Duração: 6 dias

O percurso são 267 quilômetros, tanto por estrada como por trilhas, sem contar com o ramal da Algarada de Álvar Fáñez, que são 80 quilômetros mais que vão desde Villaseca de Henares até a cidade de Guadalajara. Para desfrutar com tranquilidade recomenda-se realizá-lo em três dias caso a viagem seja de carro. Para os que prefiram fazer as etapas a pé seriam 12 jornadas, enquanto os ciclistas precisariam de seis dias.O itinerário irá descobrir castelos de diversas épocas, pequenas aldeias com encanto e exemplos de arte românica, mudéjar e islâmica que, às vezes, coincidem no mesmo lugar pelo caráter fronteiriço que teve a região. A visita aos escritórios de turismo de cada lugar irá ajudá-lo a não perder nada.A paisagem que você verá estará marcada pela diversidade e pelos contrastes: da Serra de Guadalajara passaremos ao Parque Natural do Barranco de Rio Lobo ou ao aspecto lunar da Vega del Jalón.

Estátua do Cid no Caminho de El Cid

Lugares destacados

Em Jadraque você não só encontrará casarões dos séculos XVII e XVIII, também seu castelo, ao que chamam do Cid e sua igreja com uma obra de Zurbarán e uma talha de Pedro de Mena. Outra fortaleza impressionante é a de Sigüenza, convertida atualmente em Parador Nacional. Além disso, é preciso visitar sua catedral, para contemplar o sepulcro de Martín Vázquez de Arce, o famoso Doncel de Sigüenza.Ao passar por Anguita chama a atenção sua atalaia de origem islâmica, conhecida como a Torre da Cigüeña. Em Medinaceli você encontrará os restos de outra fortaleza, além do único arco romano da Espanha com arcada triple e edifícios históricos como o Palácio Ducal ou a Igreja Colegial de Nuestra Señora.Santa María de Huerta e seu mosteiro cisterciense é outra parada obrigada. Você admirará, por exemplo, os diferentes estilos arquitetônicos de seu claustro ou a abóbada de seu refeitório. No caminho para Ateca, o final deste segundo trecho da rota, você encontrará Alhama de Aragón, famosa por suas águas termais. Daqui vale a pena desviar-se do traçado principal para conhecer o Mosteiro de Piedra, situado a menos de 20 quilômetros, onde você poderá desfrutar também de uma paragem natural com diversas cascatas.

Mosteiro de Piedra, Calatayud

Terceiro trecho: As três taifas

O Cid conseguiu reunir um exército numeroso e forte, que se movia livremente pela região das taifas (reinos árabes) de Toledo, Zaragoza e Albarracín. O terceiro trecho passa entre as localidades de Ateca (Zaragoza) e Cella (Teruel), pelas cidades que antigamente faziam parte desses territórios.

Distância:322Km Deslocamento: De carro / Duração: 3 dias Deslocamento: A pé / Duração: 13 dias Deslocamento: Em bicicleta / Duração: 6 dias

O traçado deste terceiro trecho do caminho do Cid viaja pelas províncias de Zaragoza, Guadalajara e Teruel. Os que vão por trilhas deverão percorrer 289 quilômetros em diferentes etapas (13 jornadas a pé, 6 jornadas em bicicleta); contudo, para os que viajem de carro e desejem desfrutar da viagem com tranquilidade serão 322 quilômetros em três dias.Além disso, dentro deste itinerário você encontrará outros dois percursos circulares alternativos. Um, o anel de Gallocanta, parte da aldeia de Daroca e é um caminho de 47 quilômetros que permite descobrir La Laguna de Gallocanta, um dos alagadiços mais importantes da Espanha. O outro sai de Luco de Jiloca e denomina-se o anel de Montalbán.Ao longo do caminho de Ateca até Cella você passará pelo vale do Jiloca, a comarca do Alto Tejo e a serra de Albarracín. O mais recomendável é visitar os escritórios de turismo de cada lugar para informar-se de todas as atividades e lugares de interesse existentes.

Ponte de Piedra e Basílica do Pilar em Zaragoza

Cidades destacadas

Calatayud é um dos destinos que você não deve perder durante a viagem. Fundada no século VIII, junto aos restos da fortaleza árabe que se conservam, vale a pena ver seu conjunto histórico mudéjar, onde sobressai especialmente a Igreja Colegial de Santa María la Mayor. Mais adiante, também é preciso parar em Daroca, para admirar seu imponente recinto amuralhado e conhecer seus palácios, igrejas e edifícios de estilo românico e gótico.Outra parada importante deste percurso é Molina de Aragón. Com um passeio tranquilo você desfrutará de seu abundante patrimônio: o castelo, seu bairro medieval, os edifícios religiosos, as casas senhoriais...Continuando o itinerário você chegará a outro ponto interessante: Albarracín. Além de suas muralhas e seu evocativo centro histórico, surpreende o aqueduto romano que une a localidade com o final deste terceiro trecho do caminho do Cid, Cella. A construção vai bordejando a estrada e você pode até percorrer alguns de seus trechos.

Castelo de Ayub em Calatayud

Quarto trecho: A conquista de Valência

“A quem queira ir comigo a cercar Valência… três dias esperá-los-ei no canal de Cella”. Segundo o Cantar do Mio Cid, Cella foi o lugar escolhido pelo famoso cavaleiro para reunir um exército com o qual conquistar a cidade de Valência. Este quarto trecho do Caminho de El Cid recria aquela aventura que começou em Cella (Teruel) y e finalizou com a tomada de Valência.

Distância:228Km Deslocamento: De carro / Duração: 3 dias Deslocamento: A pé / Duração: 12 dias Deslocamento: Em bicicleta / Duração: 5 dias

São 245 quilômetros de trilhas, ou 228 quilômetros por estrada. Uma viagem tranquila exigirá umas 12 jornadas aos caminhantes, cinco aos ciclistas e três dias para os motoristas. Para informar-se bem de todas as atividades que se podem fazer, o melhor é ir aos escritórios de turismo de cada lugar.Além disso, existem outros dois itinerários circulares alternativos: os anéis do Maestrazgo e de Morella. O primeiro percorre a comarca do Maestrazgo, entre as localidades de Rubielos de Mora (Teruel) e Montanejos (Castellón); e o segundo nasce em La Iglesuela del Cid e passa por Morella. Você também encontrará o ramal de Castellón, entre Sagunto e Castellón de la Plana: um trajeto de 48 quilômetros que segue a linha defensiva criada pelo Cid ao longo da costa mediterrânea para proteger a cidade de Valência.

Aventuras no Caminho de El Cid

Lugares destacados

De Cella você pode iniciar um percurso que lhe levará por vilas históricas e localidades de encanto medieval. Uma parada imprescindível é Teruel, para ver seu conjunto de arquitetura mudéjar, declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO, com suas belas torres e igrejas. Também é preciso conhecer o castelo e o centro histórico de Mora de Rubielos. A povoação vizinha de Rubielos de Mora é outro lugar de interesse, sobretudo, por suas pitorescas casas solarengas e sua arquitetura religiosa.Mais adiante, você pode parar em Montanejos, para desfrutar de suas águas termais e seu ambiente natural; e em Jérica, uma das localidades levantinas conquistadas por El Cid. Ainda antes de chegar a Valência, final deste trecho, você terá duas de paradas para fazer: Segorbe, com sua catedral, suas muralhas e seu centro histórico; e Sagunto, onde sobressaem o recinto do castelo e o teatro romano.

Arcos de Teruel. Castelo de Mora de Rubielos e Mercado da Seda em Valência

Quinto trecho: A defesa do sul

O quinto trecho do Caminho de El Cid irá lhe mostrar os castelos e fortalezas levantados pelo Cid para defender o território conquistado em Valência dos ataques almorávidas. Um percurso que levará você da cidade de Valência a Orihuela, o ponto mais ao sul até onde se estendeu a influência do célebre cavaleiro medieval.

Distância:259Km Deslocamento: De carro / Duração: 2 dias Deslocamento: A pé / Duração: 11 dias Deslocamento: Em bicicleta / Duração: 4-5 dias

Transcorre pelas províncias de Valência e Alicante e desenvolve-se ao longo de 244 quilômetros de trilhas divididas em etapas e 259 quilômetros por estrada. Para desfrutar da viagem tranquilamente, recomenda-se aos caminhantes realizá-lo em 11 jornadas. Os que optem pela bicicleta serão entre quatro e cinco dias, enquanto que os que vão em veículo vão necessitar dois dias. Convém, naturalmente, passar pelos diferentes escritórios de turismo para informar-se bem de tudo o que se pode ver e fazer em cada lugar.

Valência

Lugares destacados

Parte-se de Valência, a cidade que conseguiu conquistar El Cid em 1094. Hoje, à sua riqueza patrimonial (Catedral, Miguelete, Mercado da Seda, Mercado Central, etc.) é preciso somar a vanguarda de edifícios como os da Cidade das Artes e das Ciências ou a Ponte da Exposição. Se você seguir o caminho, encontrará localidades como Alzira ou Xàtiva, possuidoras de um interessante centro histórico e um bom número de monumentos (palácios, igrejas, fontes...).Ontinyent e Bocairent também estão na lista de lugares nos que vale a pena parar. No primeiro você verá, por exemplo, o encantador Bairro da Villa ou o grande campanário da Igreja de Santa María. No segundo, você pode fazer um agradável passeio pelo seu antigo bairro medieval, cujas ruas ainda guardam reminiscências islâmicas.Nesta viagem vão lhe surpreender as imponentes ameias dos castelos de Villena, Sax e Petrer. Outro ponto alto do percurso é Elche, onde El Cid passou o inverno de 1088. A Basílica de Santa María (onde todos os anos se encena o Mistério de Elche), a sua Vila Murada e, claro, o Palmeiral de Elche, declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO, são só alguns de seus muitos atrativos.Por último, em Orihuela, ao final do caminho, você não só desfrutará de uma vila monumental com edifícios como a Catedral do Salvador ou o Convento de Santo Domingo, mas também poderá conhecer o lugar onde nasceu o poeta Miguel Hernández, visitando a casa museu dedicada ao escritor.

Conselhos e recomendações

  • Todo o Caminho divide-se em cinco trechos, segundo os diferentes episódios narrados no poema do “Cantar do Mio Cid”.
  • Cada um destes trechos você poderá fazer a pé (comumente por trilhas e caminhos rurais), de bicicleta mountain bike (também principalmente por trilhas e caminhos rurais), de bicicleta de cicloturismo clássico (se você é um ciclista que prefere o asfalto) ou de carro ou moto (por estradas secundárias e algumas vias rápidas).
  • Tenha em conta que do traçado principal também partem outros pequenos percursos temáticos. São os chamados “anillos”, de estrutura circular, que começam e acabam em um mesmo lugar; e os “ramales”, trajetos lineais que se desviam do caminho por motivos históricos.
  • Se você se anima a realizar o Caminho de El Cid, pode conseguir uma credencial chamada Salvo-Conduto, onde receberá os carimbos das diferentes localidades do caminho. A credencial é gratuita, oferece descontos em mais de uma centena de alojamentos e se você obtém mais de quatro carimbos terá grátis o documento comprobatório do Caminho de El Cid.
  • Na site oficial do caminho você encontrará também topo-guia dos caminhos para excursionistas e cicloturistas tracks de georreferenciamento dos caminhos segundo sua modalidade (motor, caminhada, BTT, cicloturismo de asfalto...).

Quando fazer o roteiro

Em Burgos organiza-se em outubro o Fim de Semana Cidiano. A cidade parece voltar durante uns dias ao Medieval com espetáculos ao ar livre, torneios e mercados medievais, teatro de rua... Muito divertido.

O que fazer

Planos para inspirar-se