Travel Safe

Conselhos para viajar com segurança
San Vicente de la Barquera

Vilas de pescadores que deixam lembranças

none

A serenidade da vida junto ao mar

Barcos pesqueiros chegando ao porto depois de pescar; marinheiros caminhando para o mercado com a pesca do dia; redes sobre o cais, luzes de fim de tarde... É o clima de qualquer uma das charmosas vilas de pescadores do norte da Espanha, distribuídas entre a Galícia, Astúrias e Cantábria. São povoados que conservam sua autenticidade, onde é possível experimentar a vida junto ao mar em sentido pleno.

Refugiar-se do oceano em Baiona

No sul das Rias Baixas (Galícia), a baía de Baiona parece convidar o visitante a se refugiar do oceano. Um magnífico centro histórico, montes, trilhas fluviais, um estuário repleto de vegetação e uma culinária deliciosa que combina o melhor do mar e da terra. Além disso, Baiona foi o primeiro porto da Europa ao qual chegou a notícia da existência de um novo continente, a América. Foi a bordo da Caravela Pinta, em 1493, e todos os anos, no primeiro fim de semana de março, é comemorada a Fiesta de la Arribada para recordar este fato histórico. Durante o resto do ano, você pode visitar o Museu da Caravela Pinta, uma réplica da embarcação em cujo interior é recriado este importante momento da história.

Vista aérea de Baiona

Cenários cinematográficos em Astúrias

Duas vilas de pescadores por excelência, Ribadesella e Llanes, ficam na parte oriental de Astúrias. A primeira delas, entre os Picos de Europa e o mar Cantábrico, deve muito do seu charme ao rio Sella. É famosa a descida de caiaque por este rio que, além da prova internacional que é realizada em agosto e que é um autêntico acontecimento festivo, pode ser feita em outras épocas do ano. As águas do Sella são um convite à calma, e esta combinação de exercício, natureza e culinária sempre proporciona sensações positivas. A caverna de Tito Bustillo e seu centro de interpretação, o mirante de Guia ou um passeio histórico pelo porto são outras ideias para curtir a vida marítima em Ribadesella.     Uma recomendação: parar nos acantilados del infierno (falésias do inferno) antes de chegar a Llanes, situada a apenas 30 quilômetros de distância, para tirar uma dessas fotos que ajudam a construir as lembranças de viagens inesquecíveis.Enormes cubos coloridos, dispostos como quebra-mar e obra do artista basco Agustín Ibarrola, monopolizam a atenção do recém-chegado. Esta é Llanes, uma vila com um centro histórico de uma beleza incalculável, que o mundo do cinema retratou em quase vinte filmes. Itinerários cinematográficos e marítimos surpreendentes, como as praias, a trilha costeira e o magnífico campo de golfe na beira do mar. 

Imagens de Ribadesella
Os Cubos da Memória

Cantábria de ponta a ponta

De San Vicente de la Barquera até Laredo, passando por Santoña. Esse é o roteiro sugerido para, em menos de 100 quilômetros, conhecer o melhor destas três vilas de pescadores da Cantábria. O Parque Natural de Oyambre, próximo à primeira delas, é uma síntese quase perfeita da rica fauna e flora da região. Uma ampla frota de barcos pesqueiros habita o porto de San Vicente, lugar de passagem do Caminho de Santiago em seu roteiro pelo norte, e ponto de partida do Caminho Lebaniego. O patrimônio histórico herdado da Idade Média inclui, entre outros, um castelo, uma ponte e uma muralha. Santoña é outro destino ideal para entender o caráter da gente do mar. Berço da técnica de salga das anchovas, esta vila tem lugares como o Parque Natural das Marismas e os faróis do Pescador e do Cavalo, cujo acesso através de cerca de 800 degraus de pedra é um verdadeiro desafio.Por último, a praia de La Salvé de Laredo, uma das mais extensas do norte da Espanha com quase cinco quilômetros de areia fina, permite imaginar a importância que a vida marítima teve e tem aqui. Todos os anos, em setembro, uma grande festa recria o histórico Desembarque de Carlos V na vila, na que dizem que foi sua última viagem antes de morrer. Outro evento singular é a Batalha das Flores, para a qual os moradores se preparam durante meses. O objetivo: fazer a carruagem mais espetacular, decorada em sua totalidade com flores naturais, em um exercício de precisão que é transmitido de geração em geração.

Imagens de Laredo e Santoña